Tags

, , , , , , ,

A Idade das Trevas é agora, e não — como dizem os doutos do espírito do tempo — a Idade Média. A Idade das Trevas é aquela em que a própria Natureza é negada. Para obviar à dissonância cognitiva e à irracionalidade que tal negação transporta consigo, os tutores da Idade das Trevas tentam compensar a sua irracionalidade com a promoção ideológica do fundamentalismo ecologista (ecofascismo). Este mecanismo de compensação da irracionalidade traduz-se, por essa via, por uma certa aparência asséptica da insanidade da Idade das Trevas.

Morreu, com 67 anos, Shulamith Firestone, a feminista que escreveu aos 25 anos de idade e na década de 1970, The Dialectic of Sex: The Case for Feminist Revolution. Morreu louca, depois de um longo período de tratamento psiquiátrico, alegadamente devido a uma esquizofrenia.

Tal como a deputada socialista e lésbica Isabel Moreira defende hoje em Portugal, Shulamith Firestone defendeu no seu livro as seguintes ideias:

(1) a gravidez e a maternidade fazem parte da “condição bárbara da opressão da mulher”;
(2) o objetivo da revolução socialista não é apenas a eliminação do privilégio da classe burguesa, mas é também a eliminação de qualquer distinção de classe;
(3) o objetivo da revolução feminista é não só a eliminação dos privilégios dos homens, mas também a eliminação de qualquer distinção entre os dois sexos: as diferenças genitais devem ser eliminadas da cultura antropológica;
(4) a reprodução da espécie humana deve ser separada do sexo: a gravidez deve ser reduzida apenas e só a métodos artificiais (por exemplo, inseminação artificial), sendo que a gestação terá sempre lugar fora do corpo da mulher, em um útero artificial.

Em 1998, Shulamith Firestone escreveu um segundo livro, Airless Spaces, em que relata, na terceira pessoa, a sua experiência de esquizofrenia que teve inicio na década de 1980.

Como parece evidente, a Idade as Trevas é esta, a nossa, em que vivemos. A Idade das Trevas não se caracteriza pela ignorância em relação às ciências positivistas, ou pela ausência de tecnologia, mas antes caracteriza-se pela negação obstinada da realidade e pela revolta contra a natureza. A Idade das Trevas é um tempo de decadência, um tempo de auto-destruição, é a Idade Contemporânea.

Fonte: http://espectivas.wordpress.com/2012/09/01/a-idade-da-trevas-e-a-revolta-contra-a-natureza/

Anúncios