Tags

, , , , , , ,

É vulgar ouvirmos alguns católicos dizer que o movimento revolucionário iniciou-se com a Reforma protestante. Isso é parcialmente verdadeiro, mas as sementes ideológicas do movimento revolucionário e da Reforma estavam já presentes na Igreja Católica medieval. Para além da irmandade franciscana, e de um caso ou outro como o de Joaquim de Fiore, é importante falar na cisão de Duns Escoto.

Vimos no post anterior, grosso modo, as diferenças entre a ética voluntarista neoplatónica baseada no “paradoxo paulino” e em parte adoptada por Santo Agostinho, e que se estendeu ao longo dos séculos, tornando-se dominante, até que surgiu S. Tomás de Aquino. Este último introduziu uma nova ética cristã e católica, embora intelectualista e racional. Depois de Aquino surgiu Duns Escoto com o retorno a uma ética voluntarista radical e de ruptura total com S. Tomás de Aquino. Duns Escoto levou o paradoxo paulino a um extremo radical e absurdo, comparável em absurdez à ciência atual que diz que o universo surgiu do Nada.

Duns Escoto levou o determinismo e a recusa do livre-arbítrio a tal ponto que defendeu que Deus é desprovido de liberdade [evolução para Espinoza, misturada com o estoicismo: Deus sive Natura].

Diz Duns Escoto que o ser humano não quer o “soberano bem” pela razão de este ser a natureza de Deus criador e salvador: antes, segundo Duns Escoto, nós queremos o soberano bem porque é um bem em geral: mesmo que Deus não existisse (“Ordinatio, IV, d. 17”), não seria por isso que o soberano bem deixaria de existir [Montesquieu e os revolucionários franceses de 1789 adotaram esta teoria para substituir a ética, baseada na “lei eterna”, pelo Direito Positivo].

“Se, por impossível, fosse posto um outro Deus que não nos tivesse criado e que não devesse glorificar-nos, ainda assim seria, de forma absoluta, soberanamente amável por nós.” — Reportata Parisiensia, III, d. 27, q1, nº 6

Aqui, para além de sublinhar o determinismo a que o próprio Deus está absolutamente sujeito, Duns Escoto recua no tempo e adota a essência da dualidade divina — ou da possibilidade da existência de um Deus que não fosse único — oriunda do gnosticismo cristão da antiguidade tardia, por exemplo, o de Marcião (~ 140 – 160 d.C.)

Dizia Marcião que o Deus de justiça manifestou-se no Antigo Testamento — é o criador do mundo material; mas maior do que o Deus criador, é o Deus do amor — o salvador revelado em Jesus Cristo. Este Deus do amor, que é, segundo Marcião, superior ao Deus criador, tomou a aparência da carne “para conduzir ao céu as almas dos eleitos” — os que detêm a Gnose: o conhecimento dos mistérios do mundo celeste — prisioneiras deste mundo inferior. Mas, segundo Marcião, Jesus morreu vítima do Deus criador e inferior ao Deus do amor. Deste modo, a alma fica cativa entre o jogo de duas forças antagonicas — a força do Deus criador que se opõe à força do Deus do amor — e, por isso, a alma não tem responsabilidade do mal [a transferência da culpa e do mal; ou em linguagem psiquiátrica : a “projeção” da culpa]. E, conclui Marcião, no fim dos tempos, a carne, a matéria e o Deus criador serão aniquilados.

Esta “dualidade de deuses” — de Marcião e, implicitamente, existente como “possibilidade impossível” em Duns Escoto — que se opõem escora-se no gnosticismo pagão da Mesopotâmia e do próximo oriente, por exemplo, no cântico babilonico da criação Enûma Elish, em que Marduk, o deus da cidade da Babilonia, matou os seus pais (os deuses primordiais).

Esta mundividência ética de Duns Escoto não morreu com ele: antes propagou-se pela História europeia como fogo em palha seca — desde Gregório de Rimini (“Sentenças”), até Suarez (“De Legibus”), até Grócio (“Sobre o direito da guerra e da paz”), e abriu caminho para um certo determinismo cristão que nada mais é do que um paganismo cristianizado.

Ao fim e ao cabo, S. Tomás de Aquino tinha razão: nenhuma lei da natureza é absolutamente certa e pré-determinada. Em rigor, ninguém provido de razão poderá dizer que tem a certeza absoluta de que o Sol vai surgir no horizonte nascente da próxima manhã.

ΔE Δt ≥ h/2π = Ψ ( Função Ondulatória Quântica )

E = energia
t = tempo
Δ = desvios padrão

Δx Δp ≥ h/4π ( princípio da incerteza de Heisenberg )

x ; posição
p ; velocidade
Δx, Δp ; o desvio padrão de x, e de p;
h ; a constante de Planck.

O futuro é apenas uma possibilidade e nada está pré-determinado. E mesmo aquilo que parece estar pré-determinado, por exemplo, as leis da física, não só não têm qualquer valor face à singularidade [por exemplo, face a um buraco negro], como não existe racionalmente qualquer certeza de que não possam ser anuladas a qualquer momento.

 

Fonte: http://espectivas.wordpress.com/2012/07/25/neognosticismo-2-a-cisao-de-duns-escoto/

Anúncios