Tags

, , , , , , , , , , , , , ,

 

Havia indícios aqui e ali, mas agora é oficial: a marca “Windows Live” vai se aposentar. Mas só a marca, já que vários serviços e programas que desde 2005 estão sob esse guarda-chuva continuarão ativos, melhores, maiores e mais integrados aos dois sistemas da empresa, Windows e Windows Phone.

O Windows Live surgiu como uma investida contra o domínio do Google na nuvem. Ele colocava serviços (Hotmail, SkyDrive, Calendário etc.) e aplicativos (Messenger, Movie Maker, Mail) sob um mesmo teto, dando a ideia de integração e conectividade. Na teoria. Na prática nunca funcionou direito, os serviços, embora alguns sejam líderes em market share, sempre foram em sua maioria piores que os da concorrência e, como se isso já não bastasse, a salada de nomes promovida pelo marketing da Microsoft não ajudou muito (só o Windows Live Mesh teve uns quatro nomes diferentes nesse período). A própria empresa reconheceu esses problemas no post do Building Windows 8.

Agora, serviços-chave serão independentes e, ao mesmo tempo, intimamente conectados aos sistemas operacionais da casa, Windows 8 e Windows Phone. SkyDrive, Hotmail, apps de calendário, fotos e bate-papo, tudo será onipresente. Na web, alguns continuarão no domínio live.com e com a interface e branding antigos, mas são partes cada vez menos visíveis no ecossistema da Microsoft. Outra coisa importante que muda é a nomenclatura da conta; antes Windows Live ID, agora é só Conta Microsoft. Mais simples e coesa, afinal ela não serve apenas para Windows Live, alcança também Xbox LIVE, Zune e outros serviços.

No post há uma tabelinha mostrando os nomes de cada serviço nos diferentes sistemas, web, API e seus nomes antigos, o que indica que apesar da reorganizada geral, ainda levará algum tempo para que a poeira baixe e as pessoas esqueçam que houve uma época em que a Microsoft passou quase sete anos brigando para emplacar uma marca que aparentemente nem ela compreendia direito. [Building Windows 8]


Gizmodo Brasil

Anúncios