Tags

, , , ,

O Nokia Asha 200, primeiro modelo da empresa finlandesa com o sistema Symbian S40 e suporte a dois chips SIM, tenta conquistar o consumidor que normalmente opta por celulares alternativos (ou os chamados "xing lings"). Apesar de básicos, modelos como este economizam bastante no consumo de dados.

Nokia Asha 200 (Foto: Divulgação)Nokia Asha 200 (Foto: Divulgação)

O design do Asha 200 segue o estilo do BlackBerry, mas com um acabamento mais simples. A Nokia fez um bom trabalho no aparelho, que possui um teclado QWERTY confortável, slots para cartão microSD e para dois chips. Apesar do predomínio do plástico, ele é rígido, com uma qualidade aceitável para sua proposta de preço.

Com apenas 105 g, o aparelho tem uma boa pegada e não pesa muito no bolso ou na bolsa. Em compensação, suas dimensões o deixam um pouco volumoso (115,4 x 61,1 x 14 mm). Um benefício interessante do Asha 200 é que ele permite que o usuário tenha o controle daquilo que cada chip vai fazer, como envio e recebimento de mensagens, navegação na Internet e chamadas.

Os demais recursos de hardware são bem limitados, uma vez que a proposta do aparelho é ser um telefone econômico. O modelo possui apenas 64 MB para armazenamento interno, que podem ser expandidos para até 32 GB, via cartão microSD. Sua tela de 2,4 polegadas possui apenas 65 mil cores, o que é suficiente para visualizar as informações na tela, mas não é muito recomendada para ver vídeos e fotos.

O Nokia Asha 200 só se conecta à Internet por GPRS/EDGE (2G). O telefone não possui Wi-Fi, e essa é a principal desvantagem do modelo em relação ao campeão de vendas entre os modelos de entrada da Nokia, o C3. Ou seja: você precisa fazer uma importante escolha na hora de adquirir um dos dois celulares. Ou fica com dois slots para chips SIM, ou ganha conectividade Wi-Fi. Dependendo da necessidade, a segunda opção pode ser mais vantajosa, até porque o C3 é mais barato que o Asha 200 no mercado brasileiro.

Nokia Asha 200 (Foto: Divulgação)Nokia Asha 200 (Foto: Divulgação)

Apesar de limitado, o celular possui pontos positivos. Para começar, o telefone tem conectividade Bluetooth 2.1 com EDR. Por não contar com recursos avançados, como conectividades 3G, Wi-Fi ou GPS, a bateria do Asha 200 de 1430 mAh oferece autonomia de ótimas 7 horas de conversação, 888 horas em stand-by e até 52 horas para reprodução musical.

O sistema S40 está bem ajustado ao hardware do dispositivo, permitindo uma funcionalidade agradável. Porém, pelas limitações das configurações, sua memória é consumida rapidamente, impedindo que o usuário deixe três programas trabalhando simultaneamente. Sua câmera de 2 megapixels é simples, e só serve para as fotos de descontração, para envio rápido nas redes sociais. Ela também é capaz de gravar vídeos, mas a dez quadros por segundo e com uma resolução de 176 x 144 pixels, o que é insuficiente para o YouTube, por exemplo.

Além disso, por dar suporte a dois chips, o Asha não é compatível com todas as operadoras nacionais, uma vez que o telefone trabalha no padrão Dual Band (GSM 900/1800). No Brasil, a Vivo opera no padrão GSM 2100 na maioria dos estados, o Asha 200 pode ser incompatível com a operadora. Em alguns locais, a empresa trabalha em bandas GSM diferentes, por isso recomendamos que você verifique a frequência da operadora no seu estado antes de realizar a compra.

Techtudo Artigos

Anúncios