Tags

, , , , ,

A popularização dos tablets, smartphones e leitores digitais abriu uma nova fatia do mercado para quadrinhos digitais. As editoras têm investido muito nesta vertente, mas ainda são poucos os leitores que realmente abriram mão dos quadrinhos físicos. Afinal, qual dos dois funciona melhor e como as principais publicações se adaptaram ao mercado digital?

As editoras americanas estão trabalhando para aumentar os leitores no mercado digital (Foto: Reprodução)As editoras americanas estão trabalhando para aumentar os leitores no mercado digital (Foto: Reprodução)

Recentemente, a Marvel Comics  lançou linha chamada Infinite Comics, com quadrinhos disponíveis exclusivamente para o mercado digital. Os leitores podem comprá-la através de um app online, que também oferece versões digitais dos quadrinhos disponíveis em bancas. Além disso, o lar do Homem-Aranha, Hulk e companhia também lançou Marvel AR, aplicativo de Realidade Aumentada que permite ter acesso a conteúdo extra nas revistas, como making of, novas imagens e comentários dos criadores.

Enquanto isso, a grande concorrente da editora, a DC Comics , também começou a investir pesado na nova mídia. Desde que reformulou suas séries mensais, em agosto do ano passado, a editora do Superman e Batman começou a disponibilizar as HQs digitais no mesmo dia em que as físicas eram lançadas nas lojas.

É esse tipo de iniciativa que fez Marcio Takara , desenhista de Blue Beetle (Besouro Azul), parar a leitura convencional e adotar o tablet. "Eu acho ótimo ler pelo iPad, por causa do tamanho e das cores, que não sofrem alteração na imagem. Por ocupar muito espaço, parei de guardar revistas comigo. O formato digital é perfeito para mim! Zero espaço físico! Nos últimos meses, só tenho lido HQs pelo meu iPad", contou Takara.

Leitura pelo tablet (Foto: Reprodução)Leitura pelo tablet (Foto: Reprodução)

Rod Reis , colorista de séries como Aquaman e Nightwing (Asa Noturna), também faz parte do time dos que trocou o meio físico pelo digital e acredita em uma revolução no mercado. "Nele (meio digital), você pode dar zoom na página e ver os detalhes, além de apps que guiam o leitor quadro a quadro. No tablet, você pode apreciar a arte de uma forma diferente porque você vê de forma mais nítida e com mais detalhes. Acredito que o impacto dessa 'Era Digital dos Quadrinhos' vai ser tão grande que a própria maneira de fazer quadrinhos vai mudar um pouco para se adaptar à nova mídia."

Quem também endossa o coro do meio digital é um dos desenhistas de Deathstroke (Exterminador), Eduardo Pansica , por ser ecologicamente econômico: "a questão ambiental pode fazer as pessoas trocarem o papel pela adesão do tablet. Hoje, elas podem ter o mesmo conteúdo digitalmente sem a necessidade de usar uma árvore sequer."

Porém, mesmo com essas vantagens, Adriana Melo , responsável pela arte de Birds of Prey (Aves de Rapina), não conseguiu abrir mão da leitura dos quadrinhos físicos por considerar o contato muito "frio" entre o leitor e obra. "Sou maluca por tecnologia, gadgets, uma Apple-lover assumida! Mesmo assim, acho que nada ainda substitui a revista de papel e aquela sensação de tê-la em mãos, com cheirinho de nova, recém-tirada do pacote! Curto as duas formas de leitura, mas ainda prefiro a leitura com os exemplares físicos."

Júlio Ferreira, arte-finalista das HQs Stormwatch, Demon Knights e Catwoman (Mulher-Gato), também alerta para as desvantagens, principalmente para os marujos de primeira viagem. "Você tem que tomar um cuidado extra com o manuseio do seu suporte de leitura. Ocasionalmente há problemas de reflexos na tela, comandos involuntários para os menos treinados e coisas do tipo. E leitura por smartphones é mais complicado ainda por causa do tamanho. Só dá para ler um quadrinho de cada vez, no modo automático ou dando zoom e a experiência geral de se ler uma página de quadrinhos se perde".

Além disso, o mercado de quadrinhos digitais ainda não é muito aberto para o público brasileiro. Todos os aplicativos de leitura das editoras estão em sua língua original (inglês) e não existe a possibilidade de selecionar um idioma diferente. O TechTudo entrou em contato com a Panini Comics, editora que publica esses quadrinhos em bancas no Brasil, sobre a possibilidade de lançá-las também digitalmente, mas não houve resposta até o fechamento desta matéria.

E você, já leu quadrinhos pelo tablet ou celular? Qual a melhor leitura?

WebRep

 
Classificação geral
 
 
Este site não tem classificação
(número de votos insuficientes)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

 

Techtudo Artigos

Anúncios